segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Teorizando Puerto Rico: O que você precisa saber para ser um vencedor

Um salve para a juventude perdida que acompanha este blog! Tá certo que o título do texto está mais apelativo que discurso de pastor da igreja universal, mas era preciso! Damos continuidade na série Teorizando Puerto Rico, um emaranhado de boas ideias que circulam na net, experiência própria e relatos dos cabras do Clã do Abade, desta vez trazendo para discussão as dicas fundamentais para este magnífico jogo. Que seja útil a todos!

Pense bem antes de escolher o Produtor e o Prefeito.
O Produtor e o Prefeito são as duas funções mais perigosas e que mais tem efeito significativo sobre as ações futuras de todos os jogadores. Como qualquer papel, você dará ao jogador seguinte (o que está sentado a sua direita, seu jegue!) a possibilidade de aproveitar a nova situação de jogo, enquanto você ficará ultrapassado. Você tem que pesar que o custo contra os benefícios de qualquer dobrão ($) sobre o papel e as mercadorias extras antes de escolher o Produtor ou colonos, sendo Prefeito. Se você quer o Produtor, saiba que a chance do próximo jogador escolher o Mercador ou o Capitão são enormes, precisamente do tamanho do meu pau. O que você irá vender se alguém vender primeiro que você? Ou se a galera decidir embarcar e você perder seus bens produzidos, pelo fato de não haver barcos para mandá-los para o Velho Mundo? Se você estiver pensando em ser o Prefeito, considere os edifícios que os outros jogadores vão ativar,
principalmente se for o porto ou fábrica. Pense bem antes de escolher.

Não escolha um papel agora se você obterá praticamente o mesmo benefício quando um Zé Ruela escolher.

Se há um papel que deseja assumir (hummmm), mas não é tão vantajoso queimar sua ação para escolhe-lo, faça algo mais. Outro jogador irá assumir o papel e ficará com o benefício ou o personagem pode não ser escolhido e voltar com um dobrão em cima, diretamente pra você. Mesmo deixando de escolher um personagem tão óbvio (como o Capitão ou o Mercador após a fase do Produtor), você não sairá prejudicado se usar a cabeça. Analise a mesa: mesmo não sendo primeiro a embarcar, mas sendo capaz de embarcar suas mercadorias, escolha outro papel, que seja o Prospector (Minerador). Abrir mão do privilégio (aquele dobrão extra ou um PV extra), no momento certo pode alavancar seu jogo.

No início do jogo:

Pontos de Vitória de cu é rola! Agora o que manda é a grana!
Um dobrão extra no início do jogo vale pelo menos dois PVs. Assim, no início da bagaça, tenha em mente que os dobrões vão garantir estrutura para melhor seu território: lembre-se da pedreira e também prepare-se para o comércio de mercadorias. Se a coisa apertar, pegue o caminho dos covardes.... seja o Prospector/Minerador! Os papéis que produzem pontos de vitória devem ser escolhidos por seu valor em dinheiro. Se tiver grana no Capitão, pegue-o... mesmo se não tiver nada para embarcar.

Proteja o seu comércio mais valioso ao produzir outra coisa.
Se você produz tabaco ou café primeiro, você quer ter a certeza de que você poderá vendê-lo. Se a escolha do Capitão por outro jogador obrigar você a embarcar, você deixará de ganhar grana com a venda do produtor, mas não se desespere: você terá um barco só seu pelos próximos turnos (se possível pegue o maior, pra zoar a galera do milho...). Se você tiver apenas o tabaco ou o café, será sempre obrigado a embarcar. Se tiver outro bem, então você pode enviar o outro bem, e poderá estocar um barril para ser vendido. Afinal, no início, os barcos estão sujeitos a ter milho, anil e açúcar...

Início e Meio do jogo

Há muitos caminhos para a vitória.

Muitos jogadores acreditam que uma estratégia específica é a chave para ganhar, com base em suas próprias experiências. Por exemplo, é possível ganhar com quatro ou cinco plantações de milho, se você tiver um Cais para embarca-los. Se esta estratégia cai no seu colo, após o Colono ser escolhido várias vezes por outros jogadores, sempre sobrando milho pra você e você consiga o Cais o mais rápido possível, você poderá vencer. Mas se logo no início você decidir fazer esta estratégia do milho e quando você escolher o Colono e deixar de pegar uma pedreira, você estará cagando em cima do meu pau! A mesma tática que garantiria a vitória (descrita acima, seu animal de teta) pode lhe garantir o último lugar se os outros cabras estiverem com a Fábrica e o Porto... Não queira ser o Fluminense!

Estabelecer uma fonte de renda e saber comprar

As construções que produzem a maior quantidade de PVs são o Porto, o Cais e os edifício que custam 10 dobrões... e são caros picas! Ter a fábrica (já falamos nisso antes, jegue) com três ou quatro plantações é uma boa fonte de renda, mas a combinação de tabaco ou/e café com pedreira e os mercados é ótima! Se você ainda não tem uma boa fonte de renda, mas tem um monte de verba sobrando, compre algo que lhe traga renda, que ao menos pague o investimento, tal como fábrica, grande mercado e torradeira de café, ao invés de uma construção violeta grande (aquela de 10 dobrões, burro!). Se você quer realmente comprar uma fonte de PV no início/meio do jogo, você demorará muito para juntar grana de novo e comprar outro edífio caro.

No meião do jogo

Se você não sabe o que comprar, pense no Pequeno Depósito.

Se você não tem um edifício relacionado com a produção que você precisa, nem grana para comprar um edifício violeta caro, como fábrica ou porto, o pequeno depósito é uma boa pedida para comprar no meio do jogo. Custará apenas dois dobrões se você tem uma pedreira ou se você escolher o Construtor: tenha certeza que esse pequeno investimento vai lhe render muitos pontos de vitória. Comprá-lo nessa etapa do jogo é muito útil, para que não haja desperdício da sua produção. Você pode estocar e vender/embarcar depois tranquilamente. As outras construções violetas que são mais baratas (cabana de construção, fazenda e hospedaria) tem que ser compradas cedo para valer a pena. As construções de preço médio (escritório, grande mercado, grande armazém) são úteis somente em situações específicas, que só você saberá a hora de investir (e não adianta confiar na intução feminina, cabra da peste!).
Não receba mais dobrões do que pode gastar.
É foda terminar o jogo abarrotado de grana. Se tu não é da classe C e tem renda alta (como café e uma fábrica), você não precisa fazer muito esforço para ganhar dinheiro, como ficar escolhendo o Mercador, só por causa de uma moeda (concedida pelo privilégio). Deixe que escolham pra você (é uma exemplo a mais da 2ª máxima, se esqueceu releia!). Em vez de pegar o Mercador pelo privilégio, escolha o Capitão e embarque os produtos ou escolha o Construtor e torrrrrrrrrre a sua grana com construções adequadas para o ambiente da partida. Na mesma linha de raciocínio, comprar um grande mercador quando você já tem uma boa fonte de renda (como café e pedreiras, ou uma fábrica) geralmente é burrice! Mas como o mundo está abarrotado de animais de teta...

No final da bagaça

Saiba quem são seus rivais.

Mesmo com o sistema de pontuação usado no ranking do Clã do Abade (baseado no % de aproveitamento) em Puerto Rico é muito bom vencer. Por isso, no final da partida, não fique em competição com todos os outros jogadores: fique atento apenas aqueles que tem a chance de te passar no placar. Mesmo sem ter como marcar a pontuação de cada cabra inimigo, você é capaz de dizer quem são estes jogadores. Se é a sua vez de escolher um papel como embarque, você pode fazer uma escolha de díficil interpretação, onde você vai se dar um pouco mal mas por tabela fode geral o adversário! No final, se você estive ensandecido para vencer, vale a pena escolhe papéis que ajudam jogadores que não tem chance de ganhar (tome cuidado... não leve ao pé da letra, sua lontra. Se você produzir toda hora e o próximo cabra embarcar muito, você pode ficar em terceiro).

O prefeito nas últimas rodadas.

Perto do fim do jogo, alguns jogadores escolhem o Prefeito para forçar o fim da partida ou para ocupar construções grandes, com intuitio de ganhar os VPs. Ficar atento e observar a cidade dos outros jogadores é fundamental, pois as vezes você pode construir e outro jogador pode usar o Prefeito para ocupar o prédio pra você, assim você terá a oportunidade valiosa de escolher o capitão ou outro mais adequado para o momento... e isso pode lhe garantir a vitória! Mas se você tem dois grandes edifícios não ocupados e estão ameaçando finalizar a partida, ninguém vai escolher o prefeito pra você.

Por hoje é só pessoal!!

Kinho, El Primoroso, que se tivesse dobrões sobrando carregaria o cartucho da impressora.

10 comentários:

Wagner disse...

Tentar achar uma estratégia pré-determinada ou tentar encontrar uma "receita de bolo" que leve você à vitória é meio complicado neste jogo...
Puerto Rico é um jogo muito equilibrado, e acredito que por ser equilibrado, faz com que os jogadores sejam equilibrados também durante a partida...
Como você escreveu um livro, vou tentar aqui focar meus comentários sobre os 2 personagens do início da conversa: O produtor e o Prefeito...
Não sei se já jogaram Caylus alguma vez... No jogo existe 2 personagens com nomes estranhíssimos e com funções distintas... Um é o "Provost" que nada mais é que um fiscal de obras corrupto que anda pra frente ou pra trás de acordo com os interesses dos jogadores, recebendo (É óbvio!) um Denier (Moeda do jogo!) por cada movimento... A outra figura é o "Bailif", incorruptível, que é o encarregado do Rei para fazer com que as obras da construção do castelo terminem...
Este Bailif, sempre anda pra frente, de acordo com a posição do seu companheiro "provost"... Pode andar mais rápido (2 construções!) ou mais devagar (1 construção!)
Porque misturei Caylus com Puerto Rico??? Porque acredito que o Prefeito e o Bailif tem a mesma função... O papel do Bailif é mais direto porque não altera em nada o jogo... Já o Prefeito altera o jogo no fato de ativar plantações e construções através dos colonos...
Estes 2 personagens, embora sejam de jogos diferentes, tem a mesma função: Ser o temporiador do jogo!
A escolha do Prefeito em Puerto Rico é essencial para que suas plantações e construções sejam ativadas de fato! Não creio que para uma vitória no jogo, as preocupações maiores dos jogadores sejam direcionadas ao Prefeito... A escolha certa deste personagem deve ser feita não olhando apenas o "seu" tabuleiro, mas como anda os tabuleiros dos outros jogadores também... Se não fizer isso, corre-se o risco de beneficiar mais os outros jogadores do que você mesmo... Uma vantagem clara no Prefeito está no fato do jogador que escolheu ter a chance de ativar mais construções/plantações do que os adversários, além do fato da bonificação de 1 colono a mais...
Por ser uma espécie de temporizador, geralmente quando jogamos por aqui, do início até o meio do jogo ele é muito solicitado... Depois, há uma queda na escolha deste personagem, por 2 motivos principais: Primeiro, corre-se o risco de encerrar a partida por falta de colonos e você não terminar seus planos... Segundo porque encerrando o jogo, você dará a vitória a alguém que está a sua frente e que poderia ser alcançado em mais algumas rodadas...
Já o produtor é a escolha mais perigosa do jogo... Isso é fato! Geralmente o jogador seguinte escolhe o Capitão, pois é preciso embarcar e ganhar pontos na primeira chance que tiver... E devido às regras do jogo, se o próximo jogador escolhe Capitão, você será o último a embarcar... Ou seja, corre-se o risco de ficar com mercadorias encalhadas... Quando jogamos por aqui, assim como acontece com o Prefeito, o Produtor é muito mais escolhido antes da metade do jogo, do que na parte final, porque nesta fase geralmente as construções e plantações já estão todas ativadas (Com colonos!) e esperando alguém escolher o Produtor... A não ser que você já tenha como armazenar as mercadorias, ter um barco próprio ou ter como vendê-las na casa de comércio, escolher Produtor fará com que o jogo entre no seu climax, porque haverá muita movimentação de mercadorias, seja na venda para a cada se comércio, e quase sempre, na rodada seguinte os navios estarão recebendo açucar, café, milho, tabaco e índigo dos jogadores...
Produzir é arriscadérrimo!!!

Carlos Abrunhosa disse...

Boas!
O número de jogos de PR que tenho jogados não é assim tão elevado que me permitam ter uma grande "visão estratégica" do jogo! :(
Adorei o vosso artigo e serei mais "manhoso" na minha próxima joga.
Concordo com a teoria de que o produtor é uma personagem arriscada em determinadas alturas do jogo!

Kinho, El Primoroso disse...

Wagner - Obrigado pelo comentário. Bacana o termo "temporizador"; acho que o construtor também se enquadra. Se não ler tudo, veja pelo menos a foto da Priscila do BBB antes da fama.

Carlos Abrunhosa - O lance do texto é esse mesmo: fornecer manhas para os jogadores, para abrir a mente e que as partidas sejam mais equilibradas.

Caylus é um jogo que vamos adquirir em breve, já está na lista de desejo.

Wagner disse...

Já vou avisar!!!
CAYLUS ASSUSTA nas primeiras partidas... Parece muito complexo, o que na verdade não é!!! Quando forem jogar me avise que dou algumas dicas...

Jorge Cardoso disse...

Belissima discussão. É muito interessante Puerto e como podemos ver, cada um tem um pensamento diferentes sobre as jogadas. Eu quero compartilhar com vocês algo sobre plantações ainda... abração!

Unknown disse...

Caros jogadores,
Desde setembro desse ano (2012) venho jogado Puerto e buscado formas diversas de ganhar as partidas.
Encontrei este site, achei muito boas as estratégias e pude colocá-las em prática, o que me garantiu algumas vitórias.
Mas, gente, tenho coisas a dividir com todos:
Até hoje não desvendei o poder da fábrica! Li o artigo específico sobre ela e posso não ter tido sucesso, pois costumo jogar com 3 ou 4 jogadores (e não 5, como descreve o artigo). Até hoje a fábrica, para mim, é uma construção muito penosa: é cara por si só e para garantir retorno demora muito - requer diversificar as plantações, requer gastar a fase de builder (construtor) em construções de produção (ainda que sejam as pequenas construções de índigo ou açucar) e, claro, requer gente para ocupar a plantação E o prédio de contrução.
Minha estratégia em conseguir dinheiro é outra: no início do jogo, foco em conseguir café. Café é bom pois poucos jogadores se submetem ao esforço de construir o torrador de café logo no início do jogo. Assim, na fase de agricultor tento pegar os terrenos de café e nas outras vou juntando grana até comprar o torrador de café (o que demora, em média, 2 rodadas de governador). Com as plantações de café e o torrador ativados desde cedo, apenas eu consigo vender café na trading house (pois ninguém tem café para vender) e ganho uma grana boa para investir em outros prédios.
A segunda parte da estratégia vem em comprar o office (escritório), para sempre poder vender o café, já que no meio do jogo algum jogador já pode ter café também. Com o office ativado, só não ganho grana se a trading house estiver lotada ou se algum jogador fela da tuta for capitão e me fizer embarcar meu café querido. De toda forma, contra essa estratégia do capitão, terei, no meio do jogo, ou milho, ou índigo já produzidos para ir enchendo barcos, em vez de café. E, ainda que vá meu café, na fase de início/meio de jogo, um dos barcos acaba sendo praticamente monopolizado pelo café, pois, nessa fase do jogo, quase ninguém se preocupou em produzir café (pois, como já dito, produzir café desde cedo tem seus sacrifícios, os quais nem todos estão dispostos a correr).
Para mim, com office e café desde o início do jogo o retorno é muito maior e mais rápido do que com a factory. Café te dá 4 dobrões e a factory te dá 3, só se conseguir produzir 4 culturas diferntes! E o tempo de jogo que vai em produzir 4 culturas difenrentes?! De repente, com o combo do hospício+fazenda, até que vai mais rápido, mas o retorno financeiro é mais demorado!
Com a estratégia do café, a cereja do bolo vem quando se pode comprar rapidademente o large market (merccado grande)! Com ele ativado, vende-se café por 6 dobrões, ou mesmo 7 (se o jogador do café for o vendedor)! Conseguir 7 dobrões no meio do jogo, com uma ação é absurdamente extasiante para o jogador e escrotamente desesperador para os concorrentes! Aliás, para esses últimos, é um abalo tão forte que alguns se perdem nas suas estratégias e ficam demorando mais do que o normal em complôs contra o "pobre-rico cafeicultor". De quase nada adianta rs.
Bem, com 6, 7 (ou mais moedas), a fase de meio/fim do jogo fica bem mais fácil: compra-se o harbor (porto), o wharf (cais), ou já se garante uma construção grande.
Amigos jogadores, essa, para mim, é uma das melhores estratégias de Puerto Rico. Aos que defendem o poder da fábrica, me desculpem, mas ainda não consegui encontrá-lo. Café + office + large market, para mim, é o melhor combo absoluto!
Um abraço a todos!
PS: alguém usa a university para alguma coisa no jogo? Ela está na minha lista de construções mais inúteis de Puerto. Se alguém souber como usá-la, dá um help aew!

gwcorsario disse...

PS 2: Sou novo nesse lance de blog. Este post é só para acompanhar o tópcio ;-)

Na dúvida, pega o Abade disse...

gwcorsario, estamos procurando colaboradores para o blog. Se tiver interesse deixe seu email para contato. Pretendemoss reativar o blog em breve. Abraço.

gwcorsario disse...

Caro colega jogador,
De antemão sinto-me honrado pelo convite, porém tenho que recusar até, pelo menos, metade do ano que vem, por circunstâncias pessoais.
Fico muito contente em saber que o blog poderá ser reativado! Já li aqui bastante sobre Puerto Rico, o que me garantiu, ontem mesmo, a curiosidade e a teimosia para testar a factory rs. Descobri (depois de 3 derrotas rs) como bem usá-la, jogando em 4 pessoas :-D.
O site também está sendo bem útil e divertido quanto a outros jogos que tenho vontade de comprar, o que, numa época de Natal, vem a calhar rs.
Bem, obrigado mais uma vez pelo convite. Apesar de adiá-lo, sinto-me muito feliz pela sua iniciativa, pois fazer parte desse blog parece-me algo divertido, instrutivo, terapeutico (rs) e importante aos que amam jogos, como todos nós.
Grande abraço! Boas partidas!

PS: com tempo e sem compromisso, deverei comentar mais sobre Puerto Rico e, se alguém se habilitar a abrir um post sobre Scrabble, também poderei falar um pouco sobre esse game viciante :-D

Unknown disse...

A universidade é bem útil para fechar o jogo completando o espaço de construção com uma construção grande, ativando-a sem precisar que um outro jogador chame a fase de prefeito de graça para você!